OEE: O que é e como calcular esse indicador de desempenho?

OEE Overall Equipment Effectiveness, Eficiência Global de Equipamentos permite calcular e monitorar o desempenho de máquinas de produção.
oee
oee

De nada adianta milhares de máquinas industriais em produção se você não sabe quais estão, realmente, gerando lucro. E se você tem essa dúvida, é hora de conhecer o que é OEE e como esse indicador funciona.

O OEE — Overall Equipment Effectiveness, ou Eficiência Global de Equipamentos — permite calcular e monitorar o desempenho das máquinas de produção, identificando baixas e melhorias.

O que é OEE?

O OEE é um importante KPI que centraliza as métricas de diferentes áreas, como manufatura, qualidade e manutenção, deixando todos os setores responsáveis por trabalhar juntos para melhorar a performance.

Essa métrica evidencia fatores como:

  • a produção máxima das máquinas;
  • qual máquina produz mais e qual produz menos;
  • se a qualidade dos produtos é satisfatória;
  • se alguma máquina está dando prejuízo.

O OEE foi criado como um componente da metodologia TPM — Total Productive Maintenance, ou Manutenção Produtiva Total —, que visa alcançar a falha e quebra zeros na produção por meio de técnicas de manutenção preventiva e manutenção do sistema de produção.

Por causa dos seus benefícios, o método também passou a ser utilizado por empresas adotantes da filosofia da manufatura enxuta (Lean manufacturing), que visa diminuir os desperdícios.

Quais as vantagens de monitorar o OEE?

O aumento no índice do OEE garante também um aumento nos resultados e, consequentemente, o crescimento da empresa.

Com o OEE, você passa a controlar a produtividade das máquinas de forma estratégica. Entendendo a velocidade e qualidade da produção, é possível maximizar a performance dos equipamentos, melhorando a capacidade de entrega e tornando-os mais rentáveis.

Algumas das vantagens que você encontrará monitorando esse indicador de desempenho são:

  • melhor aproveitamento de máquinas;
  • melhor utilização do tempo;
  • prejuízo causado por falhas e manutenção;
  • controle da qualidade dos materiais produzidos;
  • planejamento mais preciso de produção e entregas;
  • diminuição do custo de retrabalho por refugo.

Como calcular o OEE?

A fórmula do OEE é bem simples e leva 3 pontos-chave em consideração:

  • disponibilidade;
  • performance;
  • qualidade.

Cada um desses pontos tem uma fórmula própria, e é com esses valores individuais que o OEE é calculado:

OEE = Disponibilidade (%) x Performance (%) x Qualidade (%)

Mas, antes de fazer o cálculo, é preciso entender como funciona cada um deles. Confira!

Disponibilidade

A disponibilidade representa a porcentagem do tempo durante o qual uma máquina funcionou em relação ao tempo em que ela pode ser utilizada.

Por exemplo: supondo que um equipamento tem a disponibilidade de 8 horas em um dia — o tempo de operação do funcionário. Assim, 8 horas representa o tempo total em que ela pode ser utilizada.

Com o índice de disponibilidade, você pode identificar pontos como:

  • formas de aproveitar melhor o tempo das máquinas;
  • tempo gasto em paradas não planejadas;
  • falta de manutenção;
  • baixas na produção.

Para ser mais preciso, há alguns detalhes que devem ser levados em conta antes de fazer esse cálculo, tais como:

  • tempo em produção;
  • paradas não planejadas;
  • paradas planejadas.

Tempo em produção

O tempo em produção mostra o período em que a máquina está realmente produzindo e realizando a atividade programada.

Paradas não planejadas

São os momentos em que a máquina está parada por causa de interrupções não previstas, como falta de mão de obra, escassez de matéria prima, quedas de energia ou defeitos.

Paradas planejadas

As paradas planejadas são aquelas que estão previstas no cronograma. Nesse caso, mesmo que a máquina não esteja operando, o índice não cai, já que a pausa está prevista e contabilizada na produção esperada.

Alguns exemplos são: treinamentos, manutenção programada, falta de demanda ou finais de semana.

Essas paradas são descontadas do tempo de disponibilidade.

Logo, a fórmula fica assim:

Disponibilidade = tempo em produção / (tempo em produção + paradas planejadas)

Para ilustrar, vamos considerar que a máquina do nosso exemplo é operada sempre pelo mesmo funcionário, que tem um tempo de preparação de 15 minutos para o início da produção.

Esse funcionário trabalha 8 horas por dia, fazendo 4 horas durante a manhã, um intervalo de almoço e mais 4 horas no turno da tarde.

Como ficaria o cálculo da disponibilidade dessa máquina para um dia de trabalho?

O tempo em produção será de 7 horas e 30 minutos (porque o tempo de preparação é descontado), o que dá 450 minutos de trabalho por dia.

Então, o cálculo é feito dessa forma:

Disponibilidade = 450 / (450 + 30)
Disponibilidade = 450 / 480
Disponibilidade = 0,93, ou 93%

Desempenho

O desempenho representa a porcentagem da velocidade de produção em relação à velocidade padrão.

É preciso analisar a velocidade com que o equipamento deveria produzir (o que ele foi projetado para realizar) e a velocidade real da máquina.

O índice do desempenho ajuda a resolver problemas de perda de velocidade, evidenciando valores como:

  • prejuízos devido a paradas;
  • perdas por baixa na velocidade;
  • perdas por falta de qualificação de funcionários ou mau uso de equipamentos.

O desempenho pode ser calculado tanto em horas quanto em quantidade, dependendo do maquinário.

Para o cálculo em horas, você precisa de 2 valores:

  • tempo padrão;
  • tempo efetivo.

O tempo padrão é aquele em que a máquina foi projetada para funcionar, o que é esperado dela. Já o tempo efetivo é o quanto que, de fato, ela gastou para realizar a tarefa esperada — levando em conta apenas o tempo de produção, e não os momentos em que o equipamento ficou parado.

Considerando esses fatores, o cálculo é o seguinte:

Desempenho = tempo padrão / tempo efetivo

Para calcular o desempenho por quantidade, mude apenas o que está sendo analisado. Essa conta é utilizada em máquinas que têm o desempenho especificado por quantidade de produtos produzidos, e não por tempo de funcionamento.

Desempenho = quantidade de produtos produzidos / quantidade de produtos esperada

Para que a fórmula funcione, é necessário que a dimensão de tempo analisada seja a mesma. Entenda: imagine que a máquina do nosso exemplo foi projetada para produzir 500 itens nos 450 minutos de funcionamento — mas, em determinado dia, produziu 370 itens.

Fazendo o cálculo, temos:

Desempenho = 370 / 500
Desempenho = 0,74 (74%)

Qualidade

A métrica anterior analisa apenas a quantidade de produção, mas não a qualidade dos itens produzidos. Por isso, também é preciso realizar uma análise qualitativa.

Toda empresa tem uma definição da qualidade que é esperada na produção. E, para que a máquina esteja cumprindo o seu papel, os produtos devem ter essa qualidade desejada.

O material que não atinge o nível esperado é considerado perda ou refugo.

Esse índice ajuda a identificar falhas na qualidade e evitar consequências como:

  • insatisfação de clientes;
  • custos com material;
  • custo em retrabalho.

Para calcular a qualidade, você vai precisar de 3 valores — e, de novo, todos devem ser analisados com a mesma dimensão de tempo. São eles:

  • quantidade de produtos produzidos;
  • quantidade retrabalhada;
  • quantidade perdida.

A fórmula é a seguinte:

Qualidade = quantidade de produtos produzidos – (quantidade retrabalhada + quantidade perdida) / quantidade de produtos produzidos

Vamos ao exemplo: imagine que, do total de 370 peças produzidas, 82 estavam com defeito.

Nesse caso, teríamos:

Qualidade = 370 – (82) / 370
Qualidade = 0,77 (77%)

Nessa situação o OEE seria calculado assim:

OEE = 93% x 74% x 77%
OEE = 52,99%

Assim, além de ter uma forma simples de chegar ao OEE com apenas um KPI, é possível obter os valores separados, podendo identificar qual deles está causando um aumento ou uma baixa no OEE — e otimizar nos pontos necessários.

O valor ideal do OEE varia de acordo com a empresa. Mas, para ajudá-lo a ter uma base, há um benchmark mundial, o World Class OEE, que tem valores também para cada um dos 3 indicadores:

  • disponibilidade: 90%;
  • performance: 95%;
  • qualidade: 99%;
  • OEE: 85%.

Com isso, você já consegue identificar se os seus resultados estão dentro do padrão esperado ou se alguma ação é necessária — e onde é preciso intervir — para aprimorar os resultados.

Monitorando constantemente o índice de OEE, você conseguirá tomar ações com base em dados em tempo real, garantindo a melhoria contínua da produção e a redução dos custos com manutenções, além de identificar os gargalos com rapidez.

Por ser um cálculo complexo que leva muitos fatores em consideração, o ideal é que ele seja realizado de maneira automatizada, para garantir a consistência e agilidade.

E agora que você sabe o que é OEE, implemente esse indicador em sua empresa e comece a otimizar as máquinas de produção!

Inscreva-se em nossa newsletter
Crie, treine e implemente modelos de Machine Learning. Ganhe produtividade em sua equipe!